Geólogo
Montanhista
Ambientalista

Tonico Magalhães

Antonio Carlos Magalhães (Tonico Magalhães)

Este site aborda um resumo da vida excursionista deste veterano montanhista que, desde 14 anos de idade, pratica escalada e caminhada e faz parte decisivamente da História do Montanhismo Brasileiro pelo tamanho de seu currículo e   regularidade de sua obra. Muitos amigos e parceiros do autor são aqui citados e podem relembrar os bons, as vezes até difíceis, mas sempre inesquecíveis momentos na montanha vividos ao longo das décadas.

Em 2017 com 58 anos, natural do Rio de Janeiro – RJ, reside desde 1985 em Belo Horizonte – MG, onde trabalha e gosta de viver. Pratica montanhismo e escalada há mais de 40 anos.
Geólogo com 36 anos de formado pela UFRJ, mestre em ciências (Msc), diretor e fundador de tradicional e  conceituada empresa do ramo de engenharia consultiva. É especialista em estabilidade de encostas naturais e de escavação, além de projetos ambientais, minerais e civis. Trabalha extensivamente em projetos que envolvem grande responsabilidade no tocante à segurança geotécnica de taludes de grande porte e barragens, tendo como principais clientes e referência as grandes empresas mineradoras do país.

Atualmente o autor é membro do Conselho de Ética da FEMEMG (Federação de Montanhismo de Minas Gerais).

Tem marcante formação e atuação ambientalista amadora ao longo de toda sua vida. Foi um dos responsáveis pela criação da APA (Área de Proteção Ambiental) do Morro da Pedreira nas imediações da Serra do Cipó em Minas Gerais, considerada uma das maiores APAs Federais do país, possuidora de notáveis cavernas e um dos melhores, e mais famosos, centros de escalada em rocha do país.
 Foi também criador das seguintes APAs municipais: Serra das Cambotas – Barão de Cocais – MG  e Água Limpa – Caeté – MG (possuidoras da única extensa floresta de canelas-de-ema gigantes do país) e Pedra Branca – Caeté – MG (que abriga um notável centro de escalada da região metropolitana de Belo Horizonte). Hoje é um ferrenho defensor da transformação da Serra do Caraça em Parque Nacional (ver link Comentários).

Recentemente idealizou a já criada APA municipal Pontões de Jacinto – MG (baixo vale do rio Jequitinhonha), região do último reduto de grandes montanhas não escaladas do país (mais de 100 cumes virgens). No momento essa área está para ser transformada no PEPEM - Parque Estadual da Pedra Misteriosa, incluído nos municípios de Jacinto e Rubim - MG.
 
Morando desde 1985 em Belo Horizonte, pode ser considerado com o precursor da atual geração de escaladores da cidade, tendo difundido a escalada numa fase em que o esporte estava extinto no local. Naquela época, entrou para o NAE (Núcleo de Atividades Espeleológicas), explorando e descobrindo cavernas e principalmente criando o Departamento de Escalada do clube, de onde sairam os primeiros escaladores da atual geração, tais como Júlio César Cardoso (Julinho), Guilherme "Bub" Koepel, Rodrigo Tinoco, Emerson Azeredo, Eustáquio Júnior, dentre outros.

É pioneiro e/ou "descobridor" de inúmeros famosos centros de escalada do país, com destaque para: Morro da Pedreira (Serra do Cipó – MG), Serra do Lenheiro ( São João Del Rei – MG), Pedra Branca (Caeté – MG), Fortaleza, Pedra Pintada e Parede do Peti (Barão de Cocais – MG), Vale do Roncador (Ferros – MG), Casa Branca ( Brumadinho – MG), Aderências de Timóteo – MG, Pontões de Jacinto / Rubim – MG, Fendas de Guaratiba (Rio de Janeiro – RJ), Parede dos Ácidos (Rio de Janeiro – RJ) e Contraforte do Pão-de-Açúcar (Rio de Janeiro – RJ). 
Já realizou mais de 2700 excursões, é conquistador de mais de 470 vias em rocha (totalizando de forma somada cerca de 33.800 metros lineares), mais de 70 cumes virgens e já escalou picos nevados ou de alta montanha, alguns com mais de 6000 m, incluindo Andes, Alpes, Rochosas, Pirineus e Antártica.

Começou a escalar à moda antiga, com corda na cintura, de tênis e sem magnésio. Dessa forma, até 1983, conquistou memoráveis vias que estão listadas no setor de Conquistas desse site. É pioneiro na utilização de nuts (ancoragens móveis) no Brasil (escalada natural), tendo conquistado a primeira via esportiva em móvel (Fissura Tropical – 1979 - VIsup) com José Luiz Losada e a primeira big-wall exclusivamente com nuts (Chaminé Macacu – 1981 – 400m – 6º VI E4) com Ricardo de Moraes Almeida.